atualizacao

Atualização obrigatória Versão 3.06.01 – SKILL – TOP a partir competência 07/2019 – DF

Foi disponibilizado na Versão 3.06.01 do TOP novos recursos relacionados ao “SPED Fiscal – DF” a partir de 07/2019 no SKILL – TOP, segue abaixo as principais melhorias:

Nota: Todas as alterações gerais abaixo foram baseadas no “Tutorial de Escrituração Fiscal da EFD ICMS-IPI para contribuintes do DF (VERSÃO 1.2 – 05/07/2019)” e versões anteriores. Existem algumas alterações ainda em desenvolvimento. Por isso, necessário entrar em contato com Exactus para maiores esclarecimentos.

1) Parâmetros – DF:

1.1) Parâmetros da Empresa – Parâmetro Estadual – DF: (NOVO)
– Regime Tributário Simplificado – Regime de Refeições (Lei 3.168/2003): Disponível com alterações.
– Regime Tributário Diferenciado – Apuração de ICMS – Lei 5.005/2012): Em desenvolvimento.
– Regime das Sociedades Uniprofissionais: Disponível com alterações.

1.2) Parâmetros da Empresa – Parâmetro Nota Fiscal Conjugada:
– Nota Emitida – Serviços Prestados: Disponível com alterações.
– Nota Recebida – Serviços Tomados: Disponível com alterações.
Obs: Obrigatória a utilização do controle da “Nota Emitida – Serviços Prestados” e da “Nota Recebida – Serviços Tomados” a partir de 07/2019 para contribuinte de ICMS e ISS, para geração dos Registros dos Bloco B e Bloco C.

1.3) Parâmetros Fiscais – Serviços Prestados e Serviços Tomados:
– Nota Emitida – Serviços Prestados: Disponível com alterações.
– Nota Recebida – Serviços Tomados: Disponível com alterações.
Obs: Obrigatória a utilização do controle da “Nota Emitida – Serviços Prestados” e da “Nota Recebida – Serviços Tomados” a partir de 07/2019 para contribuinte de ICMS e ISS, para geração dos Registros dos Bloco B e Bloco C.

2) Escrituração – DF:

2.1) Registros de Serviços Tomados e Prestados – DF:
– Registro de Serviços Prestados: Disponível com alterações.
– Registro de Serviços Tomados: Disponível com alterações.

Obs: Obrigatória a utilização do controle da “Nota Emitida – Serviços Prestados” e da “Nota Recebida – Serviços Tomados” a partir de 07/2019 para contribuinte de ICMS e ISS, para geração dos Registros dos Bloco B e Bloco C.

Obs: No caso de contribuinte SOMENTE de ISS uma nota fiscal recebida com itens de ICMS e ISS deve ser escriturada somente nos movimento de serviços tomados e seus detalhamentos. O valores referentes ao itens de ICMS devem ser escriturados na coluna Valor Contábil e Isentas de ISS, para geração somente dos Registros dos Bloco B.

2.2) Detalhamentos de Serviços Tomados e Prestados – DF (SPED Fiscal):
– Detalhamento de Serviços Prestados – DF: Disponível com alterações. (NOVO)
– Detalhamento de Serviços Tomados – DF: Disponível com alterações. (NOVO)

2.3) Importação de Documentos:
– Importação de NF-e – Recebida: Disponível com alterações. (NOVO)
– Importação de NF-e/NFC-e – Emitida: Disponível com alterações. (NOVO)
– Importação do SPED Fiscal (Registros B020 e B025): Em desenvolvimento.

Obs: Obrigatória a utilização do controle da “Nota Emitida – Serviços Prestados” e da “Nota Recebida – Serviços Tomados” a partir de 07/2019 para contribuinte de ICMS e ISS, para geração dos Registros dos Bloco B e Bloco C.

Obs: No caso de contribuinte SOMENTE de ISS uma nota fiscal recebida com itens de ICMS e ISS deve ser escriturada somente nos movimento de serviços tomados e seus detalhamentos. O valores referentes ao itens de ICMS devem ser escriturados na coluna Valor Contábil e Isentas de ISS, para geração somente dos Registros dos Bloco B.

3) Apurações – DF:

3.1) Apuração de ICMS – DF:
– Reestruturação da Apuração de ICMS: Disponível com alterações. (NOVO)
– Regime de Refeições (Lei 3.168/2003): Disponível com alterações. (NOVO)
– Regime Tributário Diferenciado – Apuração de ICMS – Lei 5.005/2012): Em desenvolvimento.
– Regime das Sociedades Uniprofissionais: Disponível com alterações. (NOVO)
– Estorno de Crédito entradas – Simples Nacional: Disponível com alterações. (NOVO)

3.2) Apuração de ISS – DF (Bloco B):
– Inclusão de Apuração de ISS – DF: Disponível com alterações. (NOVO)
– Apuração de ISS Próprio (Serviços Prestados): Disponível com alterações. (NOVO)
– Apuração de ISS retido pelo declarante na condição de tomador. (Serviços Tomados): Disponível com
alterações. (NOVO)
– ISS Uniprofissional: Disponível com alterações. (NOVO)

4) Geração – SPED Fiscal – DF:

4.1) Contribuinte SOMENTE de ISS:
– Apuração de ISS – DF: Obrigatório efetuar a apuração.
– Apuração de ICMS – DF: O sistema gerará os Registros E100 e E110 com valores ZERADOS.

4.2) Contribuinte SOMENTE de ICMS:
– Apuração de ISS – DF: O sistema gerará os Registros B470 com valores ZERADOS.
– Apuração de ICMS – DF: Obrigatório efetuar a apuração.

4.3) Contribuinte de ISS e ICMS:
– Apuração de ISS – DF: Obrigatório efetuar a apuração.
– Apuração de ICMS – DF: Obrigatório efetuar a apuração.

Notas:

– Apurações: De acordo com tutorial, todos os contribuintes do DF deverão entregar os Registros E110 (apuração do ICMS próprio) e B470 (apuração do ISS). Caso o declarante não seja contribuinte do imposto ou não tenha tido movimento no período de referência, entregar os registros de apuração informando 0 (zero) nos campos de valores.

– Perfil a ser Utilizado: De acordo com tutorial, o Distrito Federal adotará, para todos os seus contribuintes, o PERFIL A. Assim, todos os arquivos da EFD ICMS-IPI deverão ser gerados nesse perfil.

Fonte: Tutorial de Escrituração Fiscal da EFD ICMS-IPI para contribuintes do DF (VERSÃO 1.2 – 05/07/2019).

 

Por Ederson Von Mühlen – Analista de Negócios SKILL – TOP
Elaborado em 29/07/2019

Publicada CIRCULAR CAIXA Nº 865, de 23 de julho de 2019

Dispõe sobre os procedimentos pertinentes à geração e arrecadação da guia de recolhimento mensal e rescisório do FGTS durante período de adaptação à obrigatoriedade de prestação de informações pelo eSocial.

A Caixa Econômica Federal – CAIXA, na qualidade de Agente Operador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço – FGTS, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 7º, inciso II, da Lei nº 8.036, de 11/05/1990, e de acordo com o Regulamento Consolidado do FGTS, aprovado pelo Decreto nº 99.684, de 08/11/1990, alterado pelo Decreto nº 1.522, de 13/06/1995, em consonância com a Lei nº 9.012, de 11/03/1995 e com o Decreto n° 8.373, de 11/12/2014, em especial ao que estabelece o seu Art. 8º, publica a presente Circular.

1 Divulga orientação acerca dos prazos a serem observados pelos empregadores, pertinentes à geração e arrecadação das guias mensais e rescisórias do FGTS, durante período de adaptação à obrigatoriedade de prestação de informações por meio do eSocial.

1.1 Para tanto, observados os procedimentos contidos no “Manual de Orientação ao Empregador – Recolhimentos Mensais e Rescisórios ao FGTS e das Contribuições Sociais”, divulgado no site da CAIXA, poderá o empregador:

a. Utilizar a GRF emitida pelo SEFIP por prazo indeterminado;
b. Utilizar a GRRF para recolhimento rescisório nos desligamentos de contratos de trabalho, por prazo indeterminado.

1.2 A presente Circular alcança os empregadores caracterizados nos incisos I, II, III e IV do artigo 2º da Portaria Ministério da Economia/Secretaria Especial de Previdência e Trabalho/Secretaria de Previdência nº 716, de 04 de julho de 2019.

2 Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação e revoga a Circular CAIXA nº 843, de 29 de janeiro de 2019 e a Circular CAIXA nº 858, de 30 de abril de 2019.

EDILSON CARROGI RIBEIRO VIANNA
Diretor

Dados do Contrato – Matrícula do Trabalhador no eSocial

Na versão 3.06.01 incluímos o campo “Matrícula do Trabalhador no eSocial” em \Cadastro\Dados do Contrato, aba “Outros”.

Ratificamos que o novo campo só deve ser preenchido quando a matrícula do trabalhador no eSocial já foi atribuída em outro sistema de folha de pagamento. Na prática isto só será necessário quando o usuário passa a usar o sistema WINNER e o evento S-2200 do trabalhador já foi enviado com sucesso ao eSocial pelo sistema anterior.

Obs.: Recebemos relatos de que eventos do eSocial estão ficando pendentes de transmissão no GSE em consequência do preenchimento indevido deste campo. Se este for o caso, ou seja, que no novo campo foi indicado o número de matricula do trabalhador já atribuída pelo sistema “WINNER”, exclua a informação do campo e refaça a geração do evento.

27ª Turma Escola Oficina 2º semestre 2019

Informações:

Início: 13/08/2019

Fim: 14/11/2019

Carga Horária: 124h

Horário: 14h às 17h

Local: Laboratório do Sescapldr Rua: Piauí, 72 3º andar

Público Alvo:
Jovens acima de 17 anos, que concluíram ou estão cursando o ensino médio e possuam noções básicas de Informática

Objetivo:
Capacitar os Jovens para o primeiro emprego e atualização para o mercado de trabalho.

 Investimento:
50,00

MÓDULOS

Legalização de Empresas

Departamento Pessoal

Departamento Fiscal

Departamento Contábil

Arquivo

Relações Interpessoais no Trabalho

5º Fórum de Gestão e Responsabilidade Social

Início: 23/07/2019

Fim: 23/07/2019

Horário: 13h às 18h30

Local: Blue Tree Premium Londrina

Público Alvo:
Empresários contábeis, administradores, prestadores de serviços e gestores.

Objetivo:
Aproximar o profissional das metodologias e tecnologias eficientes na área contábil, bem como possibilitar o network dos participantes, palestrantes e empresas de renomes.

Investimento:
135,00

 

 

O mercado está em constante evolução, com ele surgiu um novo modelo de gestão, organização e planejamento. Atento às mudanças e com o foco no empresário, o Sescap-Ldr apresenta a 5ª edição do “Fórum de Gestão e Responsabilidade Social”, no dia 23 de julho de 2019 (3ªfeira), das 13h às 18h30, no hotel Blue Tree Premium Londrina.

A proposta é proporcionar um evento inovador e ampliar o leque de discussão, conhecimento e proporcionar aos participantes uma visão mais abrangente e apurada na Gestão da sua empresa.

Os resultados positivos dos anos anteriores mostram que o Fórum promovido pelo Sescap-Ldr, se consolidou como um dos principais eventos voltados para empresários contábeis e prestadores de serviços da nossa região.

Patrocinadores do Evento :

Sicoob
Acessórias
Thomson Reuters Domínio
Vilage Marcas e Patentes
Omie
LC Diniz Advogados
Exactus Software
CTEC Gestão Ocupacional

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Palestrantes:

  Dr. Marcelo de Lima Castro Diniz

Bacharel em Direito pela Universidade Estadual de Londrina, Especialista em Direito Tributário pela Universidade de São Paulo, Pós-Graduado em Direito Tributário pela Universidade de Salamanca Espanha, Mestre em Direito Negocial pela Universidade Estadual de Londrina, Doutor em Direito Tributário pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Presidente do Instituto de Direito Tributário de Londrina, l, Coordenador do Curso de Espec. em Direito Tributário do Instituto Brasileiro de Estudos Tributários em Londrina, Professor de Direito Tributário do Instituto Brasileiro de Estudos Tributários e da Escola da Magistratura do Paraná, Advogado e Consultor na área de Direito Tributário.

 

  Sr. Wellington Moreira

Palestrante e consultor empresarial há 20 anos, atua em projetos de desenvolvimento organizacional e formação de lideranças em companhias de diferentes regiões do país, como CSN, Grupo Rio Quente Resorts, A. Yoshii Engenharia, Moinho Globo e Bosch. Autor de “Líder tático” e “O gerente intermediário” (Ed. Qualitymark), é mestre em Administração, tem MBA em Gestão de Pessoas e também escreve para jornais, revistas e portais de internet do país.

   

     Sr. Roberto Dias Duarte

Professor, escritor, palestrante, administrador de empresas com MBA pelo Ibmec, membro do Conselho Consultivo da Mastermaq Software, Diretor da Escola de Negócios Contábeis (ENC) e especialista em Tecnologia da Informação, Certificação Digital, Redes Sociais, SPED e NF-e, com mais de 20 anos de experiência em projetos de gestão e tecnologia.

Fonte: http://www.sescapldr.com.br/curso/curso-sescap/5%C2%BA-forum-de-gestao-e-responsabilidade-social?utm_source=akna&utm_medium=email&utm_campaign=ljoh

Novo eSocial. O que muda?

Modernização do eSocial foi anunciada na terça-feira, dia 9. Sistema será substituído por um mais simples a partir de janeiro/2020. Conheça as mudanças e entenda a transição.

O Secretário Especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, anunciou na tarde da terça-feira, dia 9, que o eSocial será substituído por dois sistemas a partir de janeiro/2020. Ao invés de transmitir todos os eventos para o mesmo ambiente, as informações trabalhistas e previdenciárias passarão a compor um sistema e as informações tributárias outro. Veja as principais mudanças e o que acontecerá durante a transição:

O que é o novo eSocial?
Haverá uma redução substancial nas informações prestadas pelos empregadores: serão requeridas apenas as informações que promovam a efetiva substituição de uma obrigação acessória, desde que não sejam redundantes ou que não constem nas bases de dados do governo. Haverá, portanto, uma redução robusta no número de campos e exclusão de eventos inteiros.

Foram ouvidos os usuários e desenvolvedores, identificados e atacados os principais pontos que traziam complexidade para o sistema. Foram propostas: a possibilidade de utilizar uma tabela padrão de rubricas, sem a necessidade de cadastramento de rubricas próprias; a eliminação de tabelas de cargos, funções e horários; a desnecessidade de cadastramento de processos judiciais para matérias não relacionadas a tributos/FGTS; dentre outros. Campos opcionais, como números de documentos pessoais, serão excluídos da estrutura dos eventos, pois traziam dúvidas para os empregadores. Destaca-se que informações sobre título de eleitor nunca foram solicitadas pelo eSocial.

É importante ressaltar que todo o investimento feito pelas empresas e profissionais (aquisição de sistemas, treinamento, capacitação, etc.) será respeitado. Para isso, será mantida a forma de transmissão de dados via web service, haverá aproveitamento da identificação dos eventos e sua integração. Contudo, as regras serão mais flexíveis, e será muito mais fácil concluir o envio da informação, reduzindo ao mínimo os erros decorrentes de informações incorretas.

– Quais são as premissas do sistema?
Foco na desburocratização: substituição das obrigações acessórias
Não solicitação de dados já conhecidos
Eliminação de pontos de complexidade
Modernização e simplificação do sistema
Integridade e continuidade da informação
Respeito pelo investimento feito por empresas e profissionais

– Quando passa a vigorar o novo eSocial?
As mudanças passarão a vigorar a partir de janeiro/2020. Mas desde logo haverá alterações no sistema atual: será disponibilizado o mais breve possível uma reformulação do eSocial, por meio de uma revisão no seu leiaute, flexibilizando regras que emperram o fechamento da folha, além de dispensar a apresentação de diversas informações hoje obrigatórias. Para fazer isso de imediato sem impactar os empregadores, foram tornados facultativos diversos campos que serão eliminados. Na prática, os empregadores poderão, desde logo, deixar de prestar tais informações consideradas dispensáveis.

– Posso deixar de informar o eSocial?
Não. O eSocial não está suspenso. Continuam em vigor todos os prazos vigentes para o envio das informações. Apenas novos dados, novas fases, não serão solicitados até a mudança para o novo sistema. E isso será fundamental para a substituição de outras obrigações: além da DCTFWeb em substituição à GFIP, bem como a utilização dos dados do eSocial para concessão de benefícios previdenciários pelo INSS e Seguro Desemprego – que já estão em vigor – foi anunciada a Carteira de Trabalho Digital. Tudo o que está sendo informado ao eSocial servirá para a substituição de obrigações acessórias. Mas, para que isso possa ocorrer, é fundamental que o sistema seja continuamente alimentado.

– Como ficará o MEI – Microempreendedor Individual, a Microempresa e a Empresa de Pequeno Porte?
Essas empresas, além do Segurado Especial, possuem direito a tratamento diferenciado. Eles poderão utilizar o ambiente web simplificado (já disponível para o MEI e o Segurado Especial), nos mesmos moldes do web doméstico, para prestar suas informações. Estarão disponíveis diversas ferramentas para admissão de empregado, folha de pagamento, férias, desligamento, tudo com automatizações e simplificações que permitirão a qualquer um executar rotinas trabalhistas que antes eram restritas a grandes empresas ou escritórios de contabilidade.

– E para o empregador doméstico? O que muda?
O empregador doméstico deve continuar a prestar as informações dos seus empregados, além de fechar as folhas de pagamento e gerar as guias de pagamento (DAE). Contudo, estão em desenvolvimento e serão apresentadas em breve novas ferramentas para os módulos web (reformulação de telas, fluxos simplificados – “wizards”, assistente virtual – “chatbot”, melhoria no sistema de ajuda, dentre outros), o que significa que haverá mudanças no eSocial doméstico, de maneira a facilitar ainda mais a vida do empregador. Pesquisa com usuários realizada pela Secretaria de Governo Digital do Ministério da Economia identificou os principais pontos que demandam melhoria no sistema e que serão objeto de evolução.

Fonte: https://portal.esocial.gov.br/noticias/novo-esocial-o-que-muda

Modernização do eSocial: novos passos

Acompanhe o andamento dos trabalhos de simplificação e modernização do eSocial

Na semana de 8 a 12 de julho, tiveram seguimento os trabalhos de modernização do eSocial. Acompanhe o andamento:

A semana foi dedicada aos ajustes finais da versão 2.5 (rev) do leiaute do eSocial. A ideia é a revisão da versão atual do leiaute, que será implementado em curtíssimo prazo e trará a flexibilização de diversas regras e a conversão de campos que antes eram obrigatórios em facultativos. Na prática, serão antecipadas diversas simplificações do novo sistema, com a dispensa, desde logo, de várias informações que deixarão de ser exigidas.

Essa versão não demandará ajustes por parte de desenvolvedores e usuários, uma vez que a equipe técnica preservou a estrutura atual. Mas já representará um enxugamento na prestação das informações pelas empresas obrigadas ao eSocial, com as seguintes premissas:

  • Manutenção da numeração da versão do leiaute na v.2.5 – não haverá necessidade de serem alterados os arquivos XML enviados.
  • Campos que serão eliminados no novo sistema passarão a ser facultativos na v.2.5 (rev) – na prática, os campos poderão deixar de ser informados, desde logo, até sua eliminação formal no novo sistema. É o caso do campo {nmRazao} e dos grupos {contato} e {softwareHouse} constantes do evento Informações do Empregador (S-1000). Da mesma forma, o campo {indPriEmpr} e grupos {documentos} e {filiacaoSindical} do evento de admissão (S-2200), e vários outros campos dos demais eventos.
  • Exclusões de campos/grupos de eventos ainda fora da obrigatoriedade – quando o campo ou grupo pertencer a evento ainda não obrigatório, as alterações de leiaute serão definitivas desde logo, uma vez que não impactarão informações já prestadas. Da mesma forma, na versão 2.5 revisada, os eventos ainda não obrigatórios serão eliminados.
  • Manutenção do prazo de fechamento da folha no dia 15 do mês subsequente ao de referência – as regras previstas na Nota Orientativa nº 18/2019 persistirão até que haja a substituição da GFIP como forma de recolhimento do FGTS.

Em paralelo, a equipe trabalha nas mudanças que ocorrerão em janeiro de 2020. A proposta é apresentar o novo sistema o mais breve possível e anunciar as novidades tão logo estejam consolidadas. Mas, como serão alterações substanciais, estão previstos e serão necessários prazos maiores para implementação, homologação e testes pelos usuários. De toda forma, há uma grande preocupação em respeitar os investimentos feitos pelas empresas e profissionais, seja em sistemas, seja em treinamentos e capacitações. Assim, apesar de representar uma simplificação robusta comparado ao eSocial, o novo sistema manterá uma estrutura já amadurecida e consolidada para a prestação das informações.

O foco do trabalho é a substituição das obrigações acessórias hoje em vigor. Assim, é necessário aglutinar a prestação das informações demandadas pela legislação atual, de maneira a equilibrar a equação: garantia da integridade e continuidade da informação versus simplificação e substituição.

3º GRUPO – PRAZO PARA INCLUSÃO DE CADASTRAMENTO INICIAL

Cadastramento inicial é a informação dos vínculos dos trabalhadores contratados antes do início da obrigatoriedade do empregador ao eSocial. O prazo para os empregadores pertencentes ao 3º Grupo de obrigados fazerem o cadastramento inicial, segundo o disposto no MOS – Manual de Orientação do eSocial, era até o dia 31/05/2019 (este prazo seria antecipado, caso ocorresse outro evento não periódico – férias, afastamento, etc. – antes dessa data). Contudo, considerando a alteração do calendário de obrigatoriedade ao eSocial, bem como a implantação da CTPS Digital em setembro/2019, as empresas do 3º Grupo passam a ter o prazo até o dia 31/08/2019 para fazer o cadastramento inicial, se não ocorrerem outros eventos não periódicos antes. Mas, atenção: é imprescindível que as informações dos trabalhadores estejam completas quando da substituição pela CTPS Digital.

EMPREGADOR DOMÉSTICO E DEMAIS SIMPLIFICADOS

Ao largo de toda a discussão sobre o novo eSocial, as equipes de desenvolvimento estão trabalhando em diversas melhorias no módulo web do empregador doméstico e demais simplificados (MEI – Microempreendedor Individuai e Segurado Especial).

Isso inclui novas ferramentas facilitadoras, como a utilização de Assistentes (também conhecidos como “wizards”) que são um “passo-a-passo” na hora de prestar informações em situações consideradas mais complexas. É o que já ocorre na admissão, por exemplo, em que o empregador informa os dados do trabalhador e os dados do contrato que está sendo firmado.

Estudo com usuários dos módulos web do eSocial conduzido pela SGD -Secretaria Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia identificou pontos que demandam melhorias, como férias e desligamento, que serão os primeiros a terem a nova ferramenta.

Além disso, está sendo criado um “chatbot”, que é um assistente virtual.  Com ele será possível ao usuário realizar perguntas sobre diversos temas, bem como realizar ações no sistema por meio de uma “conversa” com o assistente. Também serão objeto de alerta determinadas situações detectadas automaticamente pelo assistente, e o usuário será guiado até a conclusão da operação, de forma a se evitar erros. É o caso, por exemplo, de folhas passadas ainda não encerradas, férias não concedidas e outros.

São ferramentas que vão simplificar ainda mais os módulos web.

Fonte: https://portal.esocial.gov.br/noticias/modernizacao-do-esocial-novos-passos

Nova página com histórico de melhorias e correções Desenvolvedores

Desenvolvedores e usuários poderão acompanhar as notas das versões do sistema

Foi disponibilizada pela equipe técnica nova página no portal do eSocial com o histórico de versões do sistema, que traz as descrições das melhorias e correções implementadas. Desta forma, os desenvolvedores e usuários poderão se informar sobre as notas das versões e as datas de sua implantação, o que facilita o ajuste de seus próprios sistemas.

Parceria entre UEL e empresa Londrinense permite uso de software da área contábil

Foi assinado na última sexta-feira (5) convênio de cessão de uso entre a UEL e a empresa londrinense Exactus Software, cujo objetivo é permitir o uso do software de informação fiscal e comercial. A solenidade oficial, realizada no Museu Histórico de Londrina, reuniu professores da UEL, empresários e autoridades locais.

Conforme estabelece o convênio de cessão de uso, estudantes e professores da UEL poderão posteriormente receber treinamento e capacitação para o uso da tecnologia. Portanto, alunos dos cursos de Ciências Contábeis, Administração e Economia e demais áreas de estudos sociais aplicados terão acesso ao software para estruturação fiscal – robô inteligente e-eficatus.

O robô foi desenvolvido pela empresa londrinense, que se tornou pioneira em aplicar inteligência artificial na contabilidade e escrita fiscal. A ideia é o uso da inteligência artificial para simplificar o processo de integração financeira entre empresas e escritórios de contabilidade.

Participaram da solenidade que oficializou a parceria, o vice-reitor da UEL, Décio Sabbatini Barbosa, o empresário Romeu Dematté Junior, da Exactus, a diretora do CESA, Tânia Lobo Muniz, professor Saulo Fabiano Amâncio, chefe do Departamento de Administração, professora Maria Aparecida Scarpin, chefe do Departamento de Ciência Contábeis, o coordenador do Colegiado do curso de Administração, professor Hamil Adum Filho, a diretora do Museu Histórico de Londrina, Edméia Aparecida Ribeiro e Laudelino Jochem, presidente em exercício do Conselho Regional de Contabilidade (CRC), do Paraná.

Primeiro computador – Outro destaque da solenidade foi a doação ao Museu Histórico de Londrina/UEL pela empresa Exactus, de componentes do primeiro computador de Londrina, que chegou à região em 1970. Com memória de 264 k e fabricado com circuitos em ouro, o equipamento custou aproximadamente 400 mil dólares, sendo que ocupou uma sala de 54 metros quadrados, sendo desativado em 1977.

Para a diretora do Museu Histórico de Londrina, Edméia Ribeiro, a exposição dos componentes ajudará as futuras gerações a se identificarem e construírem a memória a partir dos avanços tecnológicos. A diretora explica ainda que, inicialmente, os componentes ficarão disponíveis na reserva técnica do museu, já que não há, ainda, na exposição permanente, um cenário temático sobre tecnologia.

Livro – Também foi lançado o livro “Tratactus Evolution-Contabilidade Colaborativa” (Editora Conhecimento, 2019), de autoria de Romeu Dematté, que propõe uma linguagem de 7ª geração para o desenvolvimento de contabilidades informatizadas. Tem prefácio do presidente em exercício do CRC, Laudelino Jochem.

Na ocasião também foi registrado o lançamento da primeira Cooperativa de Apoio Tecnológico e Inteligência Artificial para Empresas Contábeis do Paraná. A entidade foi lançada por um grupo de contadores.

Fonte: uel.com.br

Proposta permite uso do FGTS para pagamento de dívidas tributárias

O Projeto de Lei 1518/19 permite a movimentação da conta do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para amortização ou quitação de dívidas tributárias, como IPVA, IPTU e Imposto de Renda. A proposta prevê o saque de até 50% do saldo desde que comprovada a impossibilidade de quitação dessas dívidas.

A proposta, da deputada Daniela do Waguinho (MDB-RJ), tramita na Câmara dos Deputados.

Atualmente, a Lei do FGTS (8.036/90) prevê movimentação do saldo em casos como demissão sem justa causa, término do contrato por prazo determinado, aposentadoria e aquisição de imóvel.

Para Daniela do Waguinho, o objetivo é permitir que o cidadão tire seu nome dos inadimplentes da inscrição na dívida ativa. “Além de movimentar a economia, será um alívio para quem está endividado sem opções de como negociar a dívida”, afirmou.

Para garantir o pagamento, os recursos retirados do fundo deverão ser transferidos diretamente à Fazenda Pública para quitar o débito existente (em qualquer esfera: municipal, estadual ou federal). A transferência será feita após indicação pelo titular do tributo a ser pago.

Tramitação

A proposta tramita em caráter conclusivo e será analisada pelas comissões de Trabalho, de Administração e Serviço Público; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Fonte: Tributanet